Informações, diagnóstico, tratamento, remédios, dúvidas - Diabetes 2

Sobre a diabetes tipo 2

A diabetes é uma doença do metabolismo conhecida pelas pessoas em geral como a doença do excesso de açúcar no sangue. Esse açúcar simples que se acumula no sangue é conhecido como glicose, que é a principal fonte de energia para o nosso corpo.

Basicamente existem dois tipos de Diabetes a tipo 1 e a tipo 2. Ao longo do texto deixaremos referência sobre a diabetes tipo 1 para caso você queira entender melhor também sobre esta variação da doença, mas já podemos adiantar que o resultado final das duas poderia ser resumido pelo excesso de açúcar (glicose) no sangue.

Hiperglicemia ou Excesso de açúcar no sangue

Você já deve ter ouvido falar ao menos uma vez nada vida sobre hipoglicemia e hiperglicemia. A hipoglicemia é caracterizada pelo baixo nível de glicose no sangue, ficar muito tempo sem comer, por exemplo, pode causar isto, assim como ingerir altos níveis de bebida alcoólica, por isto as vezes algumas pessoas embriagadas vão parar no hospital e acabam recebendo doses de glicose de forma intravenosa.

Já o alto nível de glicose no sangue caracteriza uma hiperglicemia, que é indicativo de que uma pessoa pode estar sofrendo de diabetes.

Insulina

Nosso corpo funciona como uma máquina e quando ele está bem, tudo trabalha de forma altamente sincronizada. Dentro do nosso corpo existem órgãos responsáveis por realizar diversas tarefas como por exemplo a de produzir e liberar substâncias com objetivo de manter a sincronia e o funcionamento adequado do organismo. No caso da glicose (açúcar no sangue), a substância responsável por manter seus níveis de forma saudável em nosso sangue é a insulina.

A insulina é um hormônio produzido e liberado pelo pâncreas sempre que o seu corpo detecta que existe um nível de glicose elevado no seu sangue.

Um exemplo bastante simples para fazer com que seu corpo libere insulina é comer um doce, um alimento rico em açúcar simples, açúcar de rápida absorção e que aumenta rapidamente o nível de açúcar disponível no seu sangue.

Nosso corpo funciona de forma bastante inteligente, liberando a insulina para o controle do açúcar no sangue somente quando necessário, caso contrário como você pode imaginar, se fosse liberada insulina em um momento inadequado, em que o corpo não dispõe de grandes quantidades de açúcar no sangue, a pessoa acabaria tendo uma hipoglicemia, ou seja, baixo nível de açúcar (glicose) no sangue, causando sintomas como fraqueza e até mesmo desmaios por pura e simples falta de energia no corpo, lembrando que uma condição extrema da hipoglicemia poderia ser algo bastante grave, causando até mesmo a morte (ao longo do texto daremos um exemplo prático sobre isto).

Tratando o assunto de maneira bem simples, que é o objetivo deste site, a insulina basicamente transporta o açúcar disponível na corrente sanguínea para dentro das células do nosso corpo. Uma vez que o açúcar sai do sangue e é transportado para dentro das células do nosso corpo, a quantidade de açúcar disponível no sangue diminui e nossas células recebem este açúcar e o utilizam como fonte de energia.

Quando seu pâncreas está funcionando corretamente e a insulina é liberada e está atuando de forma adequada no seu corpo, as células dos seus músculos, por exemplo, ficam com energia necessária para funcionarem corretamente e não temos problemas com o excesso de açúcar no sangue.

Apenas fazendo uma observação bastante interessante sobre a insulina, como informamos logo no início ela é um hormônio, que inclusive existe de forma sintetizada, ou seja, feita em laboratório, assim como outros hormônios bastante conhecidos, testosterona (hormônio masculino) por exemplo. Quem frequenta academia costuma muito ouvir falar sobre pessoas que fazem utilização de testosterona e seus derivados com objetivo de ganhar massa muscular de forma rápida, isto se deve ao fato da testosterona ser muito anabólica, (ou seja ter grande relação principalmente com a construção de tecido muscular a partir do consumo de energia). Para quem não sabe a insulina é tão poderosa que é considerada o hormônio mais anabólico, isto mesmo, mais até que a testosterona e infelizmente existem pessoas que a utilizam de forma indevida com objetivo de obter ganhos rápidos de massa muscular, o grande problema é que caso você não disponha de uma grande quantidade de açúcar no sangue, você pode ter uma hipoglicemia severa que pode te levar a morte em poucos minutos.

Normalmente quem faz a utilização desta substância para este fim, fisiculturistas por exemplo, mantém ao seu lado grandes quantidades de doces e alimentos ricos em açúcar de rápida absorção, porque um simples vacilo pode te custar a vida.

Pra finalizar este assunto, um dos grandes fatores incentivadores a utilização da insulina para este fim é a sua facilidade de aquisição, baixo custo e garantia de qualidade, visto que hormônios como testosterona dependem de receita médica com rigoroso controle, custam caro e a aquisição no mercado ilegal não dão ao usuário qualquer garantia em relação a qualidade e se de fato a substância que está sendo vendida é mesmo aquela que se está comprando.

Diabetes

Uma vez que uma pessoa identifica que seus níveis de açúcar estão acima do normal, pode-se chegar ao diagnóstico de diabetes do tipo 1 ou do tipo 2. Neste site abordaremos apenas os fatores relacionados a diabetes do tipo 2, caso queira saber mais sobre a diabetes do tipo 1 acesse depois o site www.diabetes1.com.br.

Nos dois tipos de diabetes temos açúcar no sangue acima do normal e basicamente os mesmos problemas decorrentes disto, oque muda é o fator causador, seja ele o funcionamento anormal do pâncreas ou da indisponibilidade ou resistência a insulina no corpo.

No caso da diabetes tipo 2, é comum que o pâncreas esteja produzindo insulina o problema que normalmente a quantidade não é o suficiente para regular os níveis de açúcar no sangue. Dando um exemplo prático, é como se tivesse um carro com um pneu bastante vazio, ainda existe ar no pneu, o carro vai continuar andando mas estará fazendo um esforço muito maior que deveria, o problema é que a falta de ar em um dos pneus começa a afetar a estabilidade e dirigibilidade do carro, aumenta o desgaste dos pneus, suspensão e com o tempo começa a gerar diversos outros problemas para o carro. Se você não encher o pneu do carro logo, prepare-se para começar a ter problemas.

Quanto mais tempo você demorar para normalizar a faltar de ar no pneu maior será a quantidade de problemas que você terá e também sua gravidade. Assim ocorre com a diabetes tipo 2 e com os altos níveis de açúcar no sangue, você não pode ignorar algo deste tipo mesmo que inicialmente não sinta sintomas que te incomodem, pois a tendência é que as coisas fiquem mal muito mais rápido do que você pode imaginar.

Outro problema comum da diabetes tipo 2 é a existência de uma resistência por parte da pessoa em relação aos efeitos da insulina, resultando em um descontrole nos níveis de açúcar no sangue. Em muitos casos pessoas com diabetes do tipo 2 produzem muita insulina inclusive, o problema é que o devido a diversos fatores o corpo acaba adquirindo uma resistência a substância, fazendo com que o hormônio não produza o resultado esperado. Lembra que falamos sobre a utilização de insulina sintetizada para ganhos de massa muscular, então, ela pode fazer com que seu corpo fique resistente a insulina e desenvolva diabetes do tipo 2, por isto o risco na sua utilização de forma indevida e sem acompanhamento médico.

Através dos exames e da investigação o médico irá identificar se o problema está relacionado a uma resistência na insulina ou até mesmo em uma deficiência em sua produção, isto inclusive muda a forma de tratamento do problema.

Diagnóstico

Ao contrário do que muitos pensam o diagnóstico da diabetes depende de resultado positivo em mais de um exame. Sabe aquele simples teste de glicose que podemos fazer furando o dedo ou colhendo uma amostra de sangue, então, se ele indicar um índice elevado de açúcar no sangue seu médico muito provavelmente solicitará pelo menos mais um exame para se certificar do diagnóstico. Os exames realizados normalmente são os seguintes:

Exames para identificação de diabetes

Glicemia em jejum

Mede o nível de glicose disponível no sangue em jejum, é aquele famoso exame que te faz ficar em jejum e tomar uma furada no dedo. Os valores de referência para um resultado normal variam entre 65 a 99 (mg/dL).

Valores acima de 100 sugerem que mais um exame seja solicitado.

Valores acima de 126 md/dL indicam que as coisas não estão indo nada bem. Acima de 200mg/dL podem até sugerir que já existe uma diabetes do tipo 2, mas normalmente não descarta-se um segundo exame.

Hemoglobina glicada

Hemoglobina glicada é uma parte da hemácia, também conhecida como célula vermelha, que se liga a glicose. Esta célula vermelha conhecida pelo nome de hemácia, vive em média 90 dias no nosso corpo. O exame da hemoglobina glicada tem por objetivo verificar qual a quantidade média de glicose disponível no seu corpo durante os últimos 90 dias (tempo médio de vida célula vermelha e que guarda informações a respeito a quantidade de açúcar), é um exame bastante interessante, porque diferente da Glicemia em Jejum ele não te dá o resultado apenas daquele momento e sim dos últimos 90 dias.

O exame da Glicemia em Jejum é importante mas pode sofrer alterações devido até por culpa do próprio paciente que acaba não fazendo o Jejum de forma correta. No caso da Hemoglobina glicada o buraco é mais embaixo, não é o valor de um instante e sim dos últimos 90 dias. Se você tiver resultado elevado em Glicemia em Jejum e Hemoglobina glicada isto já dá ao médico um diagnóstico de diabetes.

Os valores de referência para este exame são.

Para as pessoas saudáveis: entre 4,5% e 5,7%.

Anormal valores entre: 5,8% e 6,4%

Consistente para diabetes: maior ou igual a 6,5%.

Pessoas com diabetes a referência é um valor abaixo de 7%

Curva glicêmica

O exame de curva glicêmica tem o objetivo de medir a velocidade com que seu corpo absorve a glicose, ou seja, gera um gráfico no exame que permite analisar como está a atuação da insulina no seu corpo ao passar do tempo de acordo com a ingestão de uma dose glicose.

É aquele conhecido exame onde a pessoa ingere uma certa quantidade de glicose e se realiza a medição do nível de glicose no sangue antes e 2 horas após a ingestão da glicose.

Os padrões de referência para jejum é também de 100mg /dL e após duas horas 140 mg/dL. Após 2 horas da ingestão da dose de glicose, caso o índice glicêmico no sangue esteja acima de 200 md/dL tem-se um diagnóstico para diabetes.

Fatores de risco diabetes

Obesidade ou Peso acima do indicado

Sedentarismo

Consumo elevado de álcool

Hipertensão

Triglicerídeos elevado

Baixo nível de colesterol “bom” HDL

Pré-diabetes (Glicose no sangue entre 100 mg/dL e 126 mg/dL)

Histórico familiar

Sintomas diabetes

Normalmente no início da doença (pessoas pré-diabéticas) o paciente não costuma sentir sintomas ou até mesmo sente mas não chega a procurar um médico por achar que eles não são algo que incomodam e que inicialmente não interferem em seu dia a dia. Por isto a importância de sempre procurar um médico e fazer um checkup pelo menos uma vez por ano. O diagnóstico precoce de níveis mais elevados de açúcar no sangue podem evitar que você chegue ao ponto de desenvolver a diabetes.

Os sintomas mais comuns são:

Sede e fome constante (fome devido a falta de energia nas células)

Fraqueza e emagrecimento (também devido a falta de energia)

Dificuldade de cicatrização de feridas

Visão embaçada

Vontade de urinar muitas vezes

Formigamento nos pés

Infecções frequentes

Consequências da diabetes

Se você está com problemas de produção ou de resistência na sua insulina, os níveis de açúcar no seu sangue irão ficar bem acima do normal e é aí que os problemas começam a aparecer. Falando de forma simples parece até bobeira, mas vamos as consequências, aos males que isto pode te causar.

Para ficar mais simples vamos utilizar como exemplo suas células musculares, quando existe problema relacionado a insulina, a glicose não consegue chegar de forma adequada as células, a primeira coisa que seu corpo irá fazer é começar a transformar a gordura que está estocada em seu corpo em energia, em mais açúcar, aumentando ainda mais os níveis de açúcar no sangue, oque já não estava legal acabou piorando. Se você é gordinho ou está precisando perder peso não pense que isto é bom, as células do seu corpo estão todas ficando sem energia. Outro detalhe importante é que isto fará com que você perda massa muscular e músculo é um aliado na perda de peso, porque para mantê-lo você precisa de muita energia e se você deixa seu músculo sem energia, seu corpo começa a catabolizar, lembra do termo anabolizar, transformar energia em músculo, catabolizar é o processo inverso, ou seja perder músculo, muitas vezes tentando inclusive transformar o próprio músculo em energia, na falta de energia seu corpo fará o que for possível para gerar energia.

Se antes você já estava com problemas devido aos altos níveis de açúcar, agora as coisas estão começando a ficar piores, seu corpo trouxe gordura para o seu sangue e além disso mais açúcar, pois parte da gordura é quebrada e transformada em “açucar” energia, visto que suas células deram sinal de que estavam sem energia, justamente devido ao fato da insulina não estar conseguindo realizar o trabalho dela de levar energia as células. Um dos resultados disso tudo é aumento de colesterol e triglicerídeos no sangue, ou seja novos problemas, você começa a sofrer de arterioesclerose, ou seja gordura, colesterol e outras substâncias tornando suas artérias mais estreitas, mais rígidas, obstruídas, tornando você muito suscetível a um infarto, AVC, hipertensão, doenças relacionadas a dificuldade de circulação do sangue e também problemas nos rins, que são responsáveis por filtrar nosso sangue. Seus rins terão que trabalhar muito mais quando seu sangue está cheio de açúcar, você irá sobrecarregá-los.

De cara aquilo que parecia um pequeno problema de excesso de açúcar no sangue se tornou um problemão que começa a afetar órgãos importantíssimos para o funcionamento ideal do seu corpo e para manutenção da vida. Junto com a diabetes você recebe um pacote completo de problemas em órgão como coração, rins, olhos, dentre outros.

Uma das coisas mais importantes em nossos olhos são nossas retinas. A retina é como se fosse uma pele (membrana), cheia de vasos sanguíneos e é responsável por transformar a luz que chega em nossos olhos em estímulos nervosos que serão enviados até nosso cérebro que é o grande responsável por criar as imagens que enxergamos.

A diabetes pode causar pequenos sangramentos em sua retina e infelizmente a retina não é algo que pode ser reparado, uma vez que você tem a retina lesionada, você começa a de fato perder a sua capacidade de enxergar e infelizmente até o momento não temos nenhum tratamento capaz de tratar a retina e recuperar sua capacidade de retransmitir os impulsos nervosos ao nosso cérebro. Viu como um problema simples começa a se transformar num verdadeiro vilão para sua saúde.

Outro problema comum em quem possui diabetes é a dificuldade de cicatrização e maior facilidade de ter infecções, por isto é comum ver pessoas que acabam tendo que amputar pés e pernas por causa da diabetes, quando você tem um machucado, por exemplo, no pé, é importante que o sangue chegue adequadamente até o local para que a ferida se cure de forma rápida, se isto não acontece chegamos ao ponto de poder ter que amputar membros a fim de evitar problemas ainda maiores que podem levar a pessoa a morte.

Lembra da aterosclerose que falamos, a diabetes aumenta o nível de gordura no seu sangue e dificulta sua circulação, oque dificulta a chegada do sangue principalmente as extremidades do corpo, por isto também é comum que homens tenham problema de ereção por causa da diabetes, justamente porque a ereção do pênis depende do bom funcionamento do sistema circulatório. Ter ereção significa ter seu pênis cheio de sangue, se o seu sistema circulatório não funciona direito sua ereção também não funciona.

Estes são apenas alguns exemplos de problemas decorrentes da diabetes, que costuma ser uma doença inicialmente silenciosa mas que afeta de forma muita negativa todo nosso corpo.

Tratamento da diabetes

Existem diversos medicamentos disponíveis para tratamento da diabetes, iremos apenas deixar a relação de nome de alguns deles. É preciso procurar um médico especialista, só ele a partir do diagnóstico poderá indicar qual é o medicamento adequado para cada caso. Se automedicar principalmente se tratando de uma doença como a diabetes é uma péssima escolha, por isto seja responsável e procure seu médico.

Só para vocês terem uma noção da complexidade e de como os medicamentos para o tratamento podem atuar de diferentes maneiras no organismo, iremos deixar uma relação das formas de atuação destes medicamentos no organismo.

Insulina: Hormônio injetável.

Sulfonilureias e meglitinidas: Emitem estímulos para que o pâncreas produza maior quantidade de insulina.

Biguanidas: Diminuem a quantidade de glicose que é produzida em nosso fígado.

Inibidores de DPP-4 e GLP 1: Diminuem a quantidade de açúcar produzido no fígado e aumentam a quantidade de insulina produzida no pâncreas.

Inibidores da alfa glucosidase: Consumidos após as refeições, minimizam a decomposição e a absorção dos açucares.

Glitazonas TZDs ou Tiazolidinedionas): Ajudam a insulina a transportar a energia e os nutrientes necessários para dentro da célula.

Importante:

Independente de você ter ou não diabetes, a prevenção e tratamento da doença incluem a prática de atividade física. Quando você pratica atividade física, diversas substâncias benéficas são liberadas no corpo, quantidade de gorduras no sangue diminuem, além do mais como devem imaginar o corpo acaba utilizando melhor a energia disponível no sangue evitando com que a quantidade de açúcar se torne elevada, logo além de prevenir a doença é aliado fundamental no tratamento da doença.

Pense bem, sempre pratique atividades físicas, se você não fizer para manter seu corpo saudável acabará tendo que fazer para tentar fazer com que sua saúde volte ao normal. Antes de iniciar a prática de atividades físicas é recomendado sempre fazer uma revisão com um médico. A passagem por um cardiologista também sempre costuma ser bem-vinda, prevenir nunca é demais.

Prevenção

Não só de diabetes mas de diversas outras doenças, faça atividades físicas, faça atividades físicas, faça atividades físicas rsrsrs.

Tenha alimentação saudável, evite ingerir grandes quantidades de doces, prefira carboidratos que demoram mais tempo para serem quebrados no organismo e logo liberam açúcar/energia no sangue de forma mais lenta, como o caso da batata doce por exemplo, desta forma você evita picos enormes e glicose no sangue.

Não fume.

Evite o consumo excessivo de álcool.

Medicamentos diabetes

Diamicron MR

Glibenclamida

Gliclazida

Glifage

Glifage XR

Glimepirida

Galvus

Galvus Met

Metformina

Victoza.

Dúvidas comuns

Tenho diabetes, irei morrer?

Todos irão morrer algum dia, agora se você vai morrer de diabetes depende muito mais de você do que de qualquer outra coisa. Se você seguir o tratamento corretamente é possível sim alcançar longevidade igual ou maior que a da população em geral. Além do mais a cada dia temos novas drogas sendo testadas e novas formas de tratamento disponíveis no mercado e a tendência é que o tratamento da doença evolua bastante ao longo do tempo e quem sabe ao ponto de alcançarmos um cura definitiva.

Se eu utilizar insulina irei me tornar um dependente químico?

Não. Mas se você não tomar você pode ter sérios problemas e até mesmo morrer devido ao fato de não utilizá-la. Pessoas com diabetes podem precisar de insulina para sobreviver, mas não porque ela cria algum tipo de dependência química ou psicológica.

Tenho diabetes, nunca mais irei poder comer doces?

Não, isto não é verdade. Procure se informar com seu médico. Isto também vale para o consumo moderado de álcool.

Importante

Este site possui conteúdo apenas informativo, este é seu único objetivo. Não dispensa consulta ao médico. Não se automedique de forma alguma. Consulte seu médico antes de achar que esteja com um problema. Informação quando bem utilizada é uma excelente forma de prevenção. Faça bom uso das informações e evite criar um falso diagnóstico em sua mente sem ter consultado um médico.